26 de jan de 2012

Muro da Saudade

Ah se a saudade fosse um muro
Um lado de lá, um lado de cá.
Colocaria meu ouvido na parede
Na esperança de escutar
Sua voz a me chamar.
                                                        E ao menor sinal,
Um gesto de amor,
Aventurava-me a escalar.
Pularia do lado de lá.
Entraria em seu quintal
Para Um beijo roubar 
 A saudade matar,
E Este muro derrubar.

18 de jan de 2012

Sacolas descartáveis, as vilãs do meio ambiente!?

A partir de 25 de janeiro serão retiradas as sacolas plásticas gratuitas em mercados e como não resta outra opção, é lei, acabaremos nos adaptando à nova situação, afinal já passamos por isso; em minha infância usava-se latões para depositar o lixo a ser coletado, depois vieram os sacos de lixo industrializados que mais tarde foram substituidos em grande parte pelas atuais sacolas plásticas descartáveis, vilãs do meio ambiente.

Até bem pouco tempo os catadores ainda literalmente fuçavam as sacolas nas calçadas ou nos lixões concorrendo com urubus para retirar a matéria prima de sua sobrevivência ou pelo menos conseguir uns trocados para a cachaça no boteco da esquina e aquecer sua existência inexistente aos olhos da sociedade.
Lembro-me que um dia discuti com uma catadora que literalmente despejou todo "meu" lixo na calçada à procura de algo que lhe valesse; depois de uma troca de ofensas ela se foi e eu fiquei com a vassoura, a pá e os pensamentos...E não foi preciso pensar muito para perceber que a minha "razão" tinha uma causa, a inconsciência de minha atitude que provocara aquela situação mil vezes mais constrangedora para aquela pessoa "sem" dignidade se comportando como um animal à procura de restos, do que para mim que pudera produzir aquele lixo. A partir deste dia comecei a separar o lixo orgânico do lixo seco e nunca mais espalharam o lixo, simplesmente carregavam as sacolas que já estavam separadas com o que poderia lhes interessar. 

Não nascemos conscientes, consciência vem da percepção e reflexão dos fatos e sentimentos e creio que a questão polêmica das sacolas plásticas deveria ser tratada a partir da conscientização da população.

Há algum tempo já uso sacola retornável e também as descartáveis na medida necessária porque como a maioria dos brasileiros sou pobre, uso as sacolas para colocar o lixo, agora terei que desembolsar uns trocados para comprar sacos de lixos de empresas lobbystas que mergulharam aproveitando esta onda ecológica e que irão faturar horrores; ou quem sabe comprar sacolas feitas com um "outro" material teoricamente menos poluente que serão vendidas nos caixas dos supermercados que nunca sequer tentaram limitar a quantidade das sacolas  proporcional à compra, aliás nem treinam seus funcionários que quando levamos sacola retornável, enfiam tudo dentro de sacolas descartáveis duplas e enchem a sacola retornável!

Perigosas são as sacolas usadas para lixo não coletadas devidamente pelo serviço público pelo qual pagamos impostos.
Perigosas são as sacolas que voam ao ar livre e todos os dejectos da sociedade ignorante que o Estado prefere manter neste estado, apenas tratando os assuntos superficialmente.

E nós continuaremos a carregar saco de arroz, saco de feijão, embalagem de pão, sabão, refrigerante de litrão......Só que agora na sacola retornável ou na caixa de papelão! 
Que bonitinho, que politicamente correto, que belas estatísticas produziremos, vamos mostrar para os países desenvolvidos as fotos e números do nosso povo culto carregando sacolas retornáveis e preocupado com a natureza...

Enquanto não se educar no sentido de conscientização veremos sacolas e sacos plásticos voando ao vento, papéis, garrafas, bitucas, lixo orgânico e fezes espalhadas pelo chão....E em dias de chuva tudo sendo levado em direção aos bueiros agonizantes que cedo ou tarde vomitam em resposta ao inconsciente e mal-educado ser humano.