16 de mar de 2013

BBB & FACEBOOK



É grande o número de pessoas cultas e inteligentes no Facebook que tem aversão ao programa Big Brother Brasil, parece que assistir o programa é o mesmo que se intitular burro, fútil, de gosto duvidoso;  querendo indiretamente se passar a ideia de que quem não curte o reality show é um intelectual, inteligente, culto em todos os sentidos e de gosto a toda prova.

Antes de desfiar minhas impressões deixe-me dizer que gosto muito do programa, assisti até a sétima edição quase que 100% (sem pay per view) e mesmo não assistindo com frequencia atualmente, gosto de dar uma espiada.
Sempre gostei de comportamento humano, para mim as relações humanas nos dão as melhores lições de ser inteligente EMOCIONALMENTE. Alguns assistem para ver homens e mulheres de corpos maravilhosos, para rir, para matar o tempo, se distrair, por curiosidade...Não importa o motivo de cada um, rótulos são medíocres. Não me importo que me chamem de anencélafa ou coisa parecida, me sinto emocionalmente madura o suficiente para não precisar que as pessoas validem meus gostos para me socializar e me sentir acolhida; gosto  e pronto!

Tudo na vida para um melhor entendimento deve ser olhado com um segundo olhar além das aparências superficiais, o que está embutido além do que percebemos logo de cara pode dizer muito mais. Não quero dizer que o contrário também é verdadeiro, que quem assiste ao programa é "O cara", apenas não acho bacana, muito menos demonstração de inteligência, rotular as pessoas pelo gosto disso ou daquilo.

Talvez isso ocorra apenas por essa massificação tão comum no Facebook onde muitos apenas repetem postagens apenas por compulsão sem ler e interpretar o que significa. Digo isso porque vejo algumas pessoas que metem o pau em quem assiste BBB postarem coisas tipo:

Quem matou a sereia? (não me perguntem quem é?)
Copie e cole tal texto (não custa nada, né!)
Animam-se com lutas UFC
Mostram imagens da dor alheia.
Não esquecem da Carminha e da Rita da novela.
Turquia é mencionada a cada 5 postagens.
Compartilham postagens com acusações sem fonte que comprove a veracidade.
Doam dinheiro para as criancinhas doentes compartilhando postagens.
Participam de brincadeirinhas sem graça e inúteis.
Clicam em links suspeitos.
Expõem assuntos particulares.
Vivem em "barraco"!
Curtem fotos de bebês maquiadas, com calcinhas de babadinhos e sapatinhos de salto alto.
Não se esquecem do horóscopo diário.
E por aí vai..Tudo de muita profundidade...

Só pelos poucos exemplos já dá para imaginar que nem todos que odeiam BBB podem ser chamados de inteligentes e cultos, mas quem sou eu para rotularmos as pessoas pelo gosto? O que me incomoda é a incoerência.

É curiosa esta aversão ao BBB por muitos no Facebook, já que ao meu ver  este não passa de um GRANDE BIG BROTHER onde as pessoas choram, lamentam, se desentendem, discutem, xingam, invejam, fazem intrigas, provocam, odeiam, competem e todos os comportamentos que não consideramos bacana; e também há  comportamentos positivos: fazem amizades, se divertem, vivem em paz, compartilham, se encontram, se abraçam, selam amizades...Igual no programa.

Penso ser uma incoerência dizer que BBB é lixo, que quem assiste é uma "bosta" e ao mesmo tempo manter perfil no Facebook se expondo como se fossem seres mais cultos e inteligentes.
Será que é o espelho que assusta?

No Facebook é igualzinho estamos TODOS de OLHO, somos Brothers com a diferença de que não estamos concorrendo a ganhar um prêmio, mostramos tudo....de graça ou por poucas merrecas.

Vamos lá no Face dar aquela espiadinha no mural do desafeto (ou afeto)?

8 de mar de 2013

Sobre mulheres, rosas e intenções.


Dia Internacional da Mulher, muitas "homenagens" rolando nas redes sociais, um pouco de História, algumas controvérsias quanto a "inspiração" para a criação da data oficial deste dia, se mulheres operárias foram ou não intencionalmente trancadas e queimadas dentro de uma fábrica em 1857 em um tempo onde as questões trabalhistas não deviam ser favoráveis nem mesmo para os homens, quem dirá para o sexo feminino. Quem poderá dizer das intenções em longínquo tempo quando não sabemos das intenções  alheias há um segundo atrás?
A verdade é que muitas mulheres lutaram e morreram ao longo da história por condições de igualdade não só em questões operárias, mas também em seus lares onde certamente sofreram como muitas sofrem até hoje vários tipos de abusos, agressões e discriminação. Hoje nós mulheres temos ainda diferenças, mas temos a liberdade de expressar o descontentamento contra possíveis tiranos, podemos procurar ajuda, dar um basta, não sermos subjugadas, podemos eleger quem nos represente e até mesmo sermos representantes.
Podemos dizer sim ou não para um homem tanto na cama como no comportamento e mesmo assim algumas ainda serão covardemente assassinadas por alguns tiranos que se sentem proprietários da mulher, como vemos constantemente acontecer um proporções muito maiores em relação aos homens assassinados por crime passional.

As conquistas não se fizeram ou continuarão a serem feitas da noite para o dia, é preciso luta, sem cronômetro, muitas vezes sem identidade, sem reconhecimento porque a causa é de cada uma de nós, como fizeram nossas antepassadas (inclusive de um passado bem recente) que mesmo não sendo lembradas ou sendo questionadas quanto aos seus comportamentos revolucionários, fizeram uma mudança de comportamento. Fazemos-nos Mulher a cada dia e podemos dizer que todo dia é o dia da mulher.

Acho bacana esta data independente da origem ou inspiração real, desde que desvinculada de consumismo oportunista para dar uma olhadinha e refletir no quanto já caminharam por nós.

***

Hoje, ganhei uma rosa enquanto andava pelo centro de São Paulo numa tarde de muito calor...Uma simples rosa morta sem a possibilidade de "viver" um pouquinho mais num copo de geléia com água fresca. Se a levasse para casa chegaria mais parecida com rosas de final de velório, então a depositei num muro próximo à estação São Bento do metrô, talvez assim tivesse um destino melhor.

Ao escrever este texto fiquei pensando...Qual a intenção por trás de entregar uma rosa para mulheres nas ruas? Não dá para saber assim como não dá para quem entregou, saber o fim de cada uma das rosas entregues na mão de cada mulher que ali passava.
E quem por acaso me viu colocando a rosa sobre o muro talvez ficasse pensando qual seria o porquê de minha atitude e provavelmente me julgou, mas não me importo, sou mulher, sou doce, perfumada, tenho espinhos, amo rosas...e sou racional.
A História (humanas) é cheia de intenções desconhecidas ou no máximo supostas.


Dalva Rodrigues 
Lindas, não?! Não sei se são rosas embora tenha folhas parecidas com folhas de roseiras.