13 de abr de 2018

A música do primeiro amor


 Blogagem Coletiva Músicas da minha vida 04/12


Como esquecer do primeiro amor?

Desde menina já me via envolvida em amores platônicos.
O amor de infância se chamava Luis Carlos, não me esqueço até hoje seus traços indígena, era lindo, tinha uma cicatriz no rosto, arisco, livre... Gostei dele por anos sem que ele me correspondesse, acho que nunca soube que eu gostava dele. 

A família se mudou e meu mundo caiu não só por ele, mas porque o irmão dele também era um amigo muito próximo e se foi.
Mesmo quando já era moça ainda lembrava dele, soube que havia entra para a PM, passei anos procurando em cada moço fardado um dia ver  ser rosto moreno de índio e falar do meu amor infantil/juvenil.

No ano de 1972 passava a novela Selva de Pedra e o tema de amor de Cristiano e Simone era Rock And Roll Lullaby de B.J. Thomas, música que deve ter ficado mais de um ano nas paradas de sucesso, como se falava antigamente.


Gostava da música, mas ela me marcou por um acontecimento em especial, naquele tempo era comum circo e parque em bairros e um circo havia chegado bem perto de minha casa.

Meu irmão, que era mais velho que eu foi ao circo com esse menino que eu gostava, eram amigos. Fiquei desesperada para ir, ia ter uma apresentação com tema  terror, a semana inteira estavam anunciando, mas minha mãe não deixou, afinal devia ter no máximo 10 anos, foi frustração em dobro, não poderia assistir a peça e nem poderia ver o menino.

Era de noite, fiquei sozinha sentada na calçada (que não era calçada e sim terra) em frente ao salão fechado que tinha no terreno da minha casa...Ali chorei tanto, mas tanto, sentia um amor tão profundo que hoje fico pensando, como pode uma criança amar e sofrer daquele jeito?! 

Uma das músicas que vinha ecoando pelo ar repetidas vezes lá do circo foi essa do B.J. Thomas, tão romântica, me fez sentir a mais infeliz das meninas, o mundo acontecia lá naquele circo e eu ali sentada na escuridão iluminada pela lua  e estrelas (naquele tempo se viam muitas) chorando sem parar e revoltada com minha mãe por não ter me deixado ir.

Comentei um pouco dos meus amores (esse claro está incluído)  em uma postagem, o texto foi narrado no quadro Conte sua História de São Paulo.

Quer ouvir? sonorizado e narrado pelo Milton Jung da rádio CBN


Esta postagem faz parte da Blogagem Coletiva do Tacho da pepa
Quer participar ou ver outras participações?
Clique no selinho abaixo



10 comentários:

  1. Que lindo recordar desse amor de tão tenra idade! Como pode? Verdade! E sofreste de verdade! Como gente grande! Adorei te ler! beijos, tudo de bom e essas coisas ficam bem marcadas! chica

    ResponderExcluir
  2. Oi Dalva, lembro dessa música, minha irmã mais velha namorava uma pessoa e essa era a música deles.
    Pelo visto, essa música marcou muitos amores.
    Gostei do seu relato, tão envolvente que a gente fica torcendo para ter um final feliz..kkkkk como se aos dez anos fosse possível.
    Beijos,Vi

    ResponderExcluir
  3. Vi, impossível, né! Na verdade amor é muita ilusão, quase um mito, o que deve existir mesmo é parceria e isso na infância e adolescência passa longe. Bjs

    ResponderExcluir
  4. oi Dalva, eu lembro que minha mãe ouvia esta música nas alturas. Ela muito linda e romântica como todas as músicas antigas.
    Eu também me lembro das minhas paixões de infância e adolescência e como eu sofria quando não era correspondida.
    bjk

    ResponderExcluir
  5. Boa tarde Dalva!
    Eu aqui te lendo e me vendo em vários momentos em seu texto.
    Já tive um amor assim quando eu tinha 11 anos, um moreninho tão lindo. Ele se mudou do meu Estado com os pais, e nunca mais eu vi falar daquela família. Além de sentir falta, sentia falta das irmãs dele que era minhas amigas também. Como doeu saber que ele foi embora. Meu coração derretia em pranto quando lembrava que eu nunca mais ia vê-lo. O primeiro amor, a gente nunca esquece pode passar o tempo, mas você irá lembrar-se do primeiro dia que viu aquela pessoa, do primeiro sorriso. O primeiro amor sempre vai ficar marcado. Rock And Roll Lullaby de B.J. Thomas é uma música muito romântica.
    Linda história, gostei de ler.
    Boa semana!
    Um beijo!

    ResponderExcluir
  6. Oi, Dalva!
    Eu também, claro, como todos os apaixonados na adolescência,lá nos anos de 1960, trago na memória uma música que marcou minha primeira dor no coração. É essa...Hino ao Amor. Beijão!

    ResponderExcluir
  7. Nossa essa música me trouxe a lembrança: Certa vez eu e minha família fomos numa festa de aniversário, eu era meninota e um rapaz de uns 19 anos chegou pra mim e disse. Se você fosse mais velha eu te namoraria. Fiquei vermelha de vergonha, eu nem sabia o que era namorar de fundo tocava esta música. Nunca mais vi o rapaz,mas lembro da história quando ouço essa música. Bjs Nice

    ResponderExcluir
  8. Dalva, liiiiinda!
    Cada vez me encanto mais contigo. Mas que dó de saber desse amor não correspondido... ainda mais por um índio (acho eles tãããoooo lindos, livres...). Eu tinha uma família de amigos índios que moravam pertinho da minha casa e brincávamos todos os dias. Quase morri chorando quando num dia, fui procurá-los para brincar e havia somente as tendas vazias... tinham ido embora.
    Nunca mais soube dos meus amigos... é mesmo uma pena ter perdido eles de vista e hoje nem sei como procurá-los.

    amei ter vindo te visitar e saber mais um pouquinho de ti.
    beijo grande, amada.

    ResponderExcluir
  9. Oi Dalva, bn!
    Tenho tido problemas c/a minha internet. Eu deixei um comentário aqui há dias e ele não entrou, mas hoje deixo meus parabéns novamente pelo post.
    Bjs e uma noite abençoada é o que desejo p/vcs

    ResponderExcluir