20 de jan de 2019

Etiqueta para comer melancia

Calor  de verão derrete o corpo.
Busco a brisa da memória
Traz-me o sabor de melancia gelada 
Que comia em tenra idade

Saboreada em larga fatia
Sem boas maneiras 
Talvez rebeldia
Quase animal.
Sentada sobre o muro, sob o sol
O corpo a torrar.

Nas mordidas sedentas
A fresca e suculenta polpa  se desfaz.
Suco vermelho, gelado, escorre pelos lábios
Desce sem pudor pelo pescoço
Tinge a camisa branca alvejada...
Bronca vai levar!
Não importa 
O que vale é a sede saciar
O calor abrandar.

E as formiguinhas lá no chão 
Festejam a doce chuva vermelha de verão
Que cai do céu
Vinda das mãos 
de um suposto porcalhão.

saborear melancia

Que as melancias sejam doces por inteiro
Como são ao centro.



13 de jan de 2019

A borboleta que não apreciei

Quantas vezes julgamos os atos alheios?

Essa semana vi uma borboleta linda pousada na flor do pé de melissa que minha mãe plantou, acho até que já postei a foto dessa florzinha linda e delicada, menor que uma unha.

Olhei para a borboleta por alguns segundos, tão perfeita, amarela, preta e laranja, compenetrada em sua função de "roubar" néctar...Tinha um formato mais 'esticado" na horizontal, achei diferente.

E o que a tola faz em vez de ficar observando o inseto? Fui buscar a câmera para registrar ao invés de apreciar...Quando voltei ela já estava se retirando e seguindo outros voos, outras flores.

O automático está ligado para o virtual, por mais que se tenha consciência, nem sempre temos a sabedoria de saborear o momento real que é o que deveria ficar registrado em nossa memória. Essa deveria ser a prioridade.

Alguns momentos passam muito rápidos, viva-os!
Eles voam!


As florzinhas de melissa

borboleta
Uma outra borboleta, outra ocasião.

28 de dez de 2018

Músicas e momentos de mãe e filho

Blogagem Coletiva 

Músicas da minha vida


Clareana

Um coração
De mel de melão
De sim e de não
É feito um bichinho
No sol de manhã
Novelo de lã
No ventre da mãe
Bate um coração
De clara, Ana
E quem mais chegar
Água, terra, fogo e ar...



A música Clareana é de 1980, letra de Beto Guedes, fez muito sucesso na época, mas foi a partir de 1992 que ela passou a ser uma das músicas de minha vida, quando filho nasceu e voltei para casa com meu presente maior.

Era a música de ninar, de acalmar, de alegrar...Ele adorava e ficava me olhando com aqueles olhinhos espertos e atentos, absorvendo o som, minha face...

Minha cunhada dizia que quando eu estava trabalhando e ela cantava os olhinhos dele se enchiam de lágrimas...Saudade, tristeza talvez, sabe-se lá o que sentem os bebês, mas emoção com certeza havia.

Os laços começam cedo, embelezam, se transformam, afrouxam, libertam, mas o "pacotinho" sempre conterá o mais puro afeto.


Para encerrar a Blogagem Coletiva músicas da minha, não poderia deixar de escolher uma música Otaku, dos tempos que curti os eventos de Anime/Cosplay junto com ele.







Desde pequeno, não era fantasia de carnaval, era Cosplay.
Aqui de Chris Radfield de Resident Evil.
E o Millow sempre junto!


Não foi fácil escolher uma só, tem músicas lindas neste universo, meu pen drive (aqueles de pilha) era lotado delas, minha trilha sonora na época.

Escolhi esta abaixo porque além da música ser linda, assisti o anime (Hunter X Hunter) que também é muito legal.





Foi um prazer participar da Blogagem Coletiva do  Tacho da Pepa, e ler todas participações.