22 de jan de 2015

Pássaros, árvores... e nossas supostas coerências.

Por mais que tentemos ser diplomáticos nas redes sociais, sempre haverá conflitos de opiniões, nunca haverá consenso sobre um tema, afinal ninguém trilha o caminho de ninguém, cada um tem sua história é ela é única.
Como então interagir nas redes sociais (e na vida real também) sem causar polêmicas e ofender? 
Não há como agradar dezenas ou centenas de amigos, não tem como uma postagem ou posicionamento ser 100% aceita, aliás agradar alguém intencionalmente não deve ser o propósito de ninguém, apesar de parecer bacana, isso pode  gerar conflitos, penso eu.
Talvez o fio da meada seja entender que Argumento não é a mesma coisa que ofensa...Isso pode até salvar amizades.

  Pássaros, árvores...e nossas supostas coerências.

  Não gosto de pássaros em gaiolas ou mesmo soltos pela casa como está na moda hoje em dia, corta-se as asas das aves e temos os pássaros "soltos" a nos fazer companhia e sem peso de consciência (se EU tivesse pássaros , EU teria consciência pesada - isso não significa que quem tem deva ter consciência pesada por isso)...Tenho  amigos que gosto muito e que possuem  aves (e outros bichinhos...peixes, ratos etc) de estimação e não duvido em nenhum momento de que eles não gostem ou tratem muito bem seus amiguinhos, mas isso não me impede de achar que eles estariam mais felizes em seus habitats naturais.
Cada um tem seus motivos, minha visão NÃO ESTÁ RECRIMINANDO ninguém, é só meu jeito de ver, sentir, não curtir, tenho o direito de me expressar e  as pessoas de terem os bichinhos que quiserem e ponto final (a não ser que estejam judiando). Meus argumentos não devem ofender, eles servem para mim como motivo para EU não os tê-los. Quem se ofende deveria fazer o mesmo, fundamentar seus motivos para tê-los, o que também não me ofenderá, certo?

Esse é o Feel, pardalzinho que derrubei do ninho qdo lavava o quintal, ficou conosco uma semana até conseguir voar. A mãe sempre vinha alimentá-lo.



Mas o ser humano é complexo, somos muitas vezes incoerentes e o que parece ser pessoal e politicamente correto, nem sempre se mostrará tão coerente assim...Admitir nossas falhas, admitir que o que pensei ser o certo ontem, hoje já não é mais, é o primeiro passo para amadurecer.

...Quando menina, andei dando estilingadas em alegres passarinhos que cantavam em SUAS árvores, suas casas...


Perto de casa há um sobradinho com primaveras plantadas dos dois lados da entrada de uns 4 metros talvez, lindas, mas inadequadas para o espaço, seus galhos desobedientes sobem entrelaçados  alcançando os fios de alta tensão...Quantas vezes pensei: que perigo, por que plantam esse tipo de planta? Ah, mas tenho que admitir que florida é realmente linda....


No meu quintal tenho um canteirinho de  1m x 1,5m,  onde já teve um limoeiro que morreu depois de uma poda mal feita (não levo o menor jeito com as plantas apesar de achá-las lindas). Nele apareceu uma arvorezinha que pensamos ser um pé de nêspera (no meu tempo era ameixa, aquela amarelinha), acho que algum pássaro trouxe a semente, sei lá....A verdade é que foi ficando, podava de vez em quando e nada de florescer e dar frutos, só os pássaros é que a habitavam com suas cantorias matinais que eu adoro (alguns detestam e não vou chamar ninguém de burro, FDP ou mal amado por causa disso).

A verdade é que perdi o controle da árvore e já com uns 12 cm de diâmetro e 5 m de altura,  já havia passado o telhado da vizinha e nesses temporais com ventania a coitada envergava de tal maneira que morri de medo de quebrar a cerca elétrica dos vizinhos e cair no telhado deles causando algum tipo de dano.

Razão...Muitas vezes nossa coerência esbarra nela e usamos isso como justificativa para fazermos o que não gostaríamos de fazer.

Cortei a árvore (na verdade paguei para serrar), acho que a matei...Lembrei da primavera na vizinhança que ainda está florida e linda...
[Será que escrevendo assim com letras bem pequenas admitindo meu ato, causará menos impacto, julgamento?]

Mais que matar a árvore,  derrubei a pousada dos pássaros LIVRES que tanto me alegravam... 
Ufa, não havia ninhos nela, já imaginou minha consciência?...Pensando bem não foi tão mal assim, não é mesmo?! [Ah, como manipulamos...]

Fui correta, mais ou menos do que quem aprisiona? 




Razões e coerências...

Definitivamente não somos politicamente corretos ou donos das verdades, nem mesmo das nossas, quem dirá da verdade dos outros.
Então, nas redes sociais e na vida é sempre bom sermos nós mesmos, mesmo que isso desagrade alguns. Como disse Renato Russo: "As vezes o que eu vejo, quase ninguém vê." 
E se vê o que o outro vê, tem a opção de concordar, discordar ou ainda, fazer de conta que não vê.
E se pudermos, respeitemos os argumentos dos outros, eles não foram feitos para necessariamente mudar opiniões, muito menos ofender, são apenas argumentos, assim como os nossos. 
A propósito, não temos ouvido nem mesmo os argumentos explícitos das árvores, dos pássaros... 

Dalva Rodrigues











6 comentários:

  1. Dalva tu colocas muito bem tuas posições e tb não gosto de pássaros presos nem com asas cortadas. Gosto deles na natureza...bjs praianos e tomara consigas o que desejas numa praia,.Vais adorar! chica

    ResponderExcluir
  2. Oi Dalva, é a Vi, eu nunca tive pássaros em gaiolas e também não acho correto te-los, mas também não julgo quem os tem.
    Dia desses falava para Pepa, a gente não pode trair nossas convicções, devemos fazer o que julgamos ser o certo, independentemente da opinião alheia..porque se formos viver em função da opinião alheia, vamos ficar loucas.
    As pessoas andam agressivas, (tanto que o índice de violência vem aumentando), e virtualmente algumas pessoas acham que estão seguras, que podem 'soltar a franga" sem correr riscos, isso é um engano, pois já soube de casos de assassinatos por causa dessas rixas virtuais.
    As pessoas não querem saber da nossa opinião, elas não querem nos conhecer, saber quem somos, o que pensamos, as vezes tem preguiça de ler 3 linhas do que escrevemos, leem 1 palavra e já tiram conclusões e começam a falar asneiras..
    Devemos nos dedicar as pessoas que nos ouvem, expor nossas ideias, ouvir as ideias dessa pessoa, e assim com repeito, aprofundar uma amizade, e deixemos os briguentos com os briguentos.
    Muitos beijos,Vi

    ResponderExcluir
  3. Ah Dalvinha... já te disse, vc escreve tão bem, mas quase nunca aqui né ??

    Concordo plenamente, as pessoas não respeitam as opiniões...já julgam pois é tão mais fácil entrar na rodinha do briga-briga-briga (lembra do todo mundo odeia o Chris ?? rrsrs) e já saem atirando suas "verdades" e ai de quem discordar.
    Como disse a Vi, eu não traio minhas convicções, é nela que me apego quando vejo tudo que tenho visto por ai !!!

    Adorei o post !!!

    Bjus 1000 sua lindaaaaaa !!

    ResponderExcluir
  4. Oi, Dalva!
    Também não gosto de pássaros presos em gaiolas e quando era criança dei um prejuízo danado para a minha mãe abrindo as gaiolas de um novo vizinho. Só fui saber da gravidade da minha ação, quando soube que os pássaros eram instrumento de estudo. Alguns resgatados por causa de um marcador que tinham presos aos pés.
    Discussões? Não ando com ânimo para elas, ainda mais em um mundo em que todos parecem serem os donos da verdade e que "conversar" deixou de ser troca e mudanças de ideias.
    A verdade muda de pessoa para pessoa e ela está inserida dentro do contexto da vivência de cada um. Por isso, não julgar as pessoas é uma conduta que adoto para também estipular um limite para não me expor.
    A vida segue, com ou sem conflitos, mas eu prefiro ter uma vida mais calma.
    :)
    Obrigada por sua presença no aniversário do "Luz"!
    Beijus,

    ResponderExcluir
  5. Voltei pra te deixar um bj e agradecer! chica

    ResponderExcluir
  6. Oi Dalva, é a Vi,passando para tomar um chá, hoje o tempo esta mais fresco, um chá de erva cidreira com limão e uns biscoitos cairiam muito bem..kkk, eu só penso em comida.
    Beijos,Vi

    ResponderExcluir