18 de dez de 2011

Memórias de Outono

Meus versos são folhas de outono
Poesia despetalada
Relutantes se deixam cair
Lentamente mergulham no ar
No silêncio da tarde fria
Fuligem urbana
Parque ilhado
Por plateia
Casais enamorados
Pássaros
E solitários

Flutuam com saudade
Dos lábios quentes do verão
Que contava segredos 
Em beijos apaixonados
Da carícia  morna do vento noturno
De toques delicados
Braços alados
Rumo ao céu estrelado
Vigiado pela lua
Eterna apaixonada

Flutuam
Ao som da sonata imaginária
Na realidade fria
Lambidos pelos ventos gélidos
Inverno iminente
Que seca  folhas
Adormece corações
Gesta renovação.

Meu poema não tem destino
Vagueia na lentidão
Pode ser um banco velho
A casca morta da árvore
O solo fértil das quimeras mortas
Na mente do poeta inspiração
Ninho de passarinho 
Talvez a mão de um rapaz
Que pode guardá-lo
Entre páginas envelhecidas
Do livro de cabeceira
Há muito abandonado
Na caixa empoeirada
Que guarda memórias
Poesias esquecidas
Folhas esmaecidas
Outono
Outrora 
Memórias




3 comentários:

  1. Wow!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Amei Dalva... parabéns... você escreve muito bem mesmo...e a caixa está divina, perfeita para guardar poemas como esse, lembranças, memórias e pequenos agrados e mimos materializados em um ticket de cinema, o papel que envolveu um sonho de valsa compartilhado, o número de um telefone tão desejado, a foto que documenta um beijo roubado....(até rimou para combinar com essa postagem linda...rsssss).

    ResponderExcluir
  2. Gilian,amei a descrição de possível função da caixa...totalmente poética!!! Fez-me até inspiração para outro poema!
    Menina, escreva!!!

    ResponderExcluir
  3. Dalvaaaaaa não sabia que escrevia tão bem...sinto inveja ( boa ) de quem tem o dom para isso...Lindo demais! Parabéns. Bjks

    ResponderExcluir