10 de fev. de 2021

Cárceres

Anda perdido em ilusões de tudo que vê e ouve falar ser um lar.
Migalhas a conta-gotas alimentam o frágil corpo.
Alma nem sabe o que é, um fio invisível do qual nem se dá conta do existir.
Dias de frio, calor, fome, sede, solidão, desamparo, dor. Dias de nada são os melhores.
Sente cheiros...O arroz frita nos temperos, ovos frigem na panela e em sua imaginação. Come a casca da banana.
Sente cheiros...Suor, seu próprio cheiro mesclado em excrementos e vapor.
Ouve sons... vindo da casa a água morna do chuveiro a escorrer em corpos asseados, sente o cheiro de sabonete de flores desconhecidas.
Acima, a centímetros de sua cabeça, ouve o barulho da chuva de verão torrencial sobre a telha que o sepulta calado.
Ouve na casa todos risos, músicas, conversas, comemorações.
"Seria um lar, por que não estou lá"?
Faz tanto tempo que vive abandonado. Ainda é tão criança, sem saber o que é sê-lo, fora ou dentro de seu cárcere não há espaço para ele. Seria a rua a salvação, com seus perigos e tentações? Eles dizem que é proteção.
O verão castiga com seu calor, seria o barril o seu caixão?
Morreu e não sabia, está no inferno. Sustentado nos cambitos inchados picados por mosquitos, atado em correntes por mentes doentes, atrozes.
Ouve crianças e suas risadas.
Vez ou outra uma pipa colorida atravessa no seu minúsculo céu, uma moldura de tijolos inacabada.
Ouve cantos tristes de pássaros engaiolados para alegrar seus donos.
Não sabe ser pássaro, não consegue cantar. Se cantasse  ficariam felizes?
Falta voz para gritar, força para reagir, aquele é o lar que conhece.
Sonha com água, ar puro, banho, pão, uma cama, se esticar, respirar, ser criança, viver. O tempo de criança é tão curto.
E ainda assim o seu algoz ele diz amar.

Dalva Rodrigues
10/02/21

U2 - Original Of The Species


  

"Por favor permaneça uma criança em algum lugar no seu coração."

A cada minuto que respiramos, muitos estão sendo sufocados.

Quem ouve os gritos silenciosos de sofrimentos em cárceres?

Em que momento, em que circunstâncias um ser deixa de ser humano?