27 de ago. de 2018

Dignidade faz bem.

Participando da blogagem coletiva da Elaine Gaspareto
Prestando atenção nos pequenos detalhes de tudo.
Assim compreendemos melhor o universo e tudo que nele está contido.
Semana 34


Essa semana tive consulta com ginecologista no posto de saúde e me surpreendi com o atendimento da médica bem jovenzinha que me atendeu com tanta delicadeza e atenção, me ouviu, esclareceu dúvidas, orientou,  pediu os exames necessários para diagnóstico, observando meus limites com uma paciência linda de se ver, o que não é a regra nos atendimentos pelo SUS, quem usa sabe, na maioria das vezes mal olham na cara do paciente, somos um número da meta a ser cumprida para futuras "falsas" boas estatísticas a serem usadas em campanhas eleitorais.
Nada justifica não tratar as pessoas com o mínimo de dignidade.

Fiquei pensando e comparando com a clínica geral que havia me atendido ano passado, que diferença...mal olhou em minha cara, saí de lá chorando, me sentindo um lixo e sem direção.

A diferença entre elas está na essência do ser humano, muitos tem essa profissão por status, por dinheiro, por vocação, mas poucos a exercem com humanidade além da suposta competência. 

A humanidade seria bem melhor se as  pessoas exercessem suas funções, todas, pensando no bem que elas podem estar proporcionando aos outros e por outro lado, que todos que fossem beneficiados reconhecessem.

Precisamos de vocação e vontade para fazer e valorizar o bem, o resto é consequência, isso deveria ser regra e não exceção. 

Dessa vez saí do posto de saúde com um sorriso no rosto porque humanidade, gentileza e competência nos faz Reolhar o mundo com mais otimismo.


Quer participar também?
Clique em Reolhar a Vida para saber como
 e ler outros Reolhares.







22 de ago. de 2018

Pensamos!?

Participando da blogagem coletiva da Elaine Gaspareto
Prestando atenção nos pequenos detalhes de tudo.
Assim compreendemos melhor o universo e tudo que nele está contido.
Semana 33


O que os seres que pensam e sabem que pensam precisam para viver em harmonia visando o bem coletivo?




Quer participar também?
Clique em Reolhar a Vida para saber como
 e ler outros Reolhares.

16 de ago. de 2018

Almoço e desenho animado BC



Blogagem Coletiva 

Músicas da minha vida 08/12

Desde criança entrei na rotina doméstica, mas pra valer mesmo foi quando tinha uns 12 anos e minha vó que morava conosco começou a passar umas temporadas com a filha dela, minha querida tia Margarida, então minhas tarefas aumentaram, uma vez que minha mãe sempre trabalhou fora.

Durante a semana fazia ou servia o almoço para meu pai que trabalhava a noite, pegava meu pratinho e ia almoçar na sala e assistir os desenhos animados desse programa que muitos devem se lembrar:




Não existe nada mais antigo, do que cowboy que dá cem tiros de uma vez...


Terminavam os desenhos (o meu preferido era Os Mussarelas), ouvia a música de abertura do Jornal Hoje que tinha uma música linda (Weave me the Sunshine) limpava cozinha e ia para a escola.




Quando estava na sétima e oitava série, odiava tanto a escola que ME enganava, vez ou outra, dependendo da carrasca do dia (geralmente matemática) agia como se fosse para a escola, abria e fechava o portão para fazer o barulho, voltava e ficava escondida no quartinho de minha vó que era fora da casa e lá ficava ouvindo música bem baixinho e só saia quando estava na hora de "voltar" da escola.

As músicas ou vinhetas de aberturas de programas também são um ótimo elo com o passado.


Esta postagem faz parte da Blogagem Coletiva do Tacho da pepa
Quer participar ou ver outras participações?








13 de ago. de 2018

Os sabores do afeto

Participando da blogagem coletiva da Elaine Gaspareto
Prestando atenção nos pequenos detalhes de tudo.
Assim compreendemos melhor o universo e tudo que nele está contido.
Semana 32

A cada dia que passa o passado me conforta mais, muito mais que o futuro. 
Lembrei demais de meu pai e de minha avó, das comidas mineiras que ela fazia, tudo muito simples e gostoso, sem receitas, "de cabeça" como ela dizia, pois não era alfabetizada. 

Filho até perguntou o que estava acontecendo, por  que eu estava com tanta vontade de comer comida da bisavó dele. 
Sei que se morrer hoje estarei feliz, com a alma confortada, por todo afeto que eles me deram, ao modo deles, o que eles puderam, foi o melhor. É o que eu hoje tento fazer.

Fiz macarronada com molho, só cebola fritinha, tomate picadinho e um caldinho do cozimento do macarrão. Também mingau de fubá com ovo.

O mais difícil foi o rústico pudim de pão feito com sobras de pão, leite, ovos, cravo, calda de açúcar no fundo da forma...Fui na intuição, nas lembranças do paladar e das vezes que a ajudei a preparar.

Não ficou tão gostoso como o dela, mas muito parecido e em relação ao sabor matei a vontade, comi usando o garfo que era de meu pai, quase senti sua presença e a voz dele dizendo: 
-Obrigada, mãe! (a saudade mistura tudo)

Meu pai era fácil de agradar, típico de quem passou dificuldade e valorizava cada grão de feijão no prato e quem o preparava.
Bolinhos de chuva para ele era um sonho!


pudim de pão



Quer participar também?
Clique em Reolhar a Vida para saber como
 e ler outros Reolhares.



5 de ago. de 2018

Amigas de vida

Participando da blogagem coletiva da Elaine Gaspareto
Prestando atenção nos pequenos detalhes de tudo.
Assim compreendemos melhor o universo e tudo que nele está contido.

Semana 31

Nada melhor do que reencontrar amigas do passado, aquelas que convivemos, dividimos experiências, confidências, alegrias, tristezas, gostos musicais, esperanças...

Cidoca, Elza e amiga/prima Ivone

Passei a semana Reolhando  o passado, as memórias voltando...
Bom demais estar ao lado de quem fez e faz parte de minha vida.
Amo essas meninas por tudo que vivemos intensamente!


Quer participar também?
Clique em Reolhar a Vida para saber como
 e ler outros Reolhares.