8 de mai. de 2021

Campos minados e solos férteis


Sinto agulhadas em minha cabeça, como se fossem o pulsar do sangue a martelar estranhamente em pontos estreitados nesse mar de veias e artérias que inundam meu velho corpo.
Elas chegam sem consentimento e eu aguardo, em serenidade, cada nova fisgada até cessarem.
É como esperar uma visita não anunciada, mas pressentida; até que entre um segundo e outro cessem as pontadas, espero que sem dor, sem dramas, sem traumas, sem lágrimas, sem passado, sem presente, sem futuro. Acabou.
A visita chegará e não estarei para recebê-la.
A porta aberta trará o silêncio do que não existe, a casa vazia, corpo sem alma, o descanso a ocupar o espaço das astuciosas garras humanas, das falsas vozes doces  murmurando seus desejos egoístas, conspirando,  chantageando, ludibriando para obter vantagens.
Ando cansada dos rumos da revelada sociedade  pós-verdade, da hipocrisia, do descaso, da falta de união, das cobranças que só alimentam a próprio criatura, das indiretas, dos inconvenientes invasores de território pessoal e emocional, da liberdade e socialização rasa que sem ser convidado julga sem conhecimento de fato e sem empatia.
Onde andará o bom senso,  respeito e limites? As trevas da ignorância e maldade cada vez mais ganham forças, principalmente nas ondas virtuais que também refletem na vida real e nelas navegamos,  em um mar cheio de armadilhas perigosas dispersas entre pessoas realmente boas e reais.
Não deveria ser o contrário, sabedoria e bondade ao alcance de todos?
Ando exausta de ver atiradores de flechas afiadas rumo ao alvo fatal para desmerecer o que julga inferior ou em quem não corresponde seus desejos.
Cansei de campos minados de palavras, insensibilidade e ignorância assumidas com orgulho.
Sementes daninhas germinam e brotam ilusões em solos  manipuláveis e carentes de tudo. Isso é desgastante, cansei do silêncio dos bons diante dos maus.
O peito abriga o coração, músculo que pulsa vida, toda forma de amor. Mas com o passar do tempo ele endurece e talvez nem doa mais, nos acostumamos com a dor e ela se transforma em nó na garganta, na falta de vontade de viver no mundo como ele se apresenta, em trevas, apesar de toda beleza natural.
A cada agulhada nas profundezas de meu cérebro, sinto a ânsia de um corpo diluído em matéria orgânica voltando ao solo fértil da natureza que traz a paz da não existência.
Uma hora a flecha acerta no alvo, na cabeça, 
na ideia, no coração...Na mosca. 
Quando o pulsar cessa, fica o vazio do não existir na imensidão,  essência que volta ao ciclo original da vida, vingando em solos férteis entre ruínas de civilização. Plenitude.

Enquanto não me acertam fatalmente no alvo, caminho procurando atalhos para fugir de campos minados e quando não houver jeito, que eu passe despercebida como uma folha seca e esmigalhada ao chão.

Oração do Narciso 
( o inconveniente, porque esse é o que incomoda)

Eu, eu, eu, eu...
Infinitamente eu onde tudo é meu.
Que eu seja prioridade dos humanos. 
Deuses, sempre me ouçam em primeiro lugar. 
Reservem-me o lugar especial ao lado de seus tronos de ouro e poder.
Onde eu possa seduzir e comandar mentes e corpos: 
Ame-me.
Seja presente, seja intenso, 
me sirva, me venere, 
me receba, me presentei, me ajude,  
me leia, me curta, me consuma...
Alimente meu eu.
Vinde a mim todas as pessoas, luzes 
e o além, posto que sou imortal.
Amém. (longe de mim)

Dalva Rodrigues
08/05/2021

There there - Radiohead





95 comentários:

  1. Olá, Dalvita,

    Identifiquei-me muito com este texto! Acho mesmo que todos que têm alguma compreensão real do que se passa e alguma sensibilidade já se encontram emocionalmente exaustos. E já pensaram em render-se, em entregar os pontos! É muito difícil enfrentar combates diários, como temos feitos, quando o oponente é ingênuo, confuso, ignorante e truculento (refiro-me ao povo). Conheço bem este tipo porque em minha própria família encontrei alguns exemplares. A pessoa pensa que domina o assunto em que palpita. Tem certeza de que escolheu o lado justo e correto e é capaz de ir às últimas consequências para defender o próprio ponto de vista.
    Mas estas pessoas são apenas horrivelmente desinformadas, monstruosamente descoladas da realidade. E por isso tudo às vezes eu chego a acreditar que esse povo merece as perdas e ofensas que lhe estão sendo infligidas. Mas é claro que isso é só um pensamento passageiro, pois eu sei que as perdas e os danos dizem respeito a todos nós.
    Então eu acho que nós temos que encontrar um meio de combater sem perder a serenidade, e sem nos perdermos a nós mesmos. Temos que ter em mente que toda guerra um dia acaba e que é preciso que estejamos lá para reconstruir o que foi destruído.
    Quanto ao egoísmo e ao narcisismo que nos cercam (que parece que chegaram a um ponto de transbordamento) também temos que lutar contra ele (ainda que seja desprezando os tais que manifestam egocentrismo e pretensão, como se fossem mais merecedores das coisas boas do que os demais).
    Espero que você fique bem e que procure uma estratégia de enfrentamento desses desafios. Tudo na vida passa e isso também haverá de passar.

    Beijo, boa noite e bom domingo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo comentário tão rico, Marly, realmente o cenário está muito feio. Bjs

      Excluir
  2. Oi Dalva, bom dia!
    Te aplaudindo de pé pelo lindo texto. Quantas verdades ditas e certamente compartilhadas por todos que por aqui passam. Parabéns!
    Estou passando p/desejar um feliz DIA DAS MÃES p/você e já aproveitando também p/desejar uma semana de paz e alegrias.
    Bjssssss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Dinha, boa semana para você também! Bjs

      Excluir
  3. Querida amiga Dalva,
    “...Uma hora a flecha acerta no alvo, na cabeça, na ideia, no coração...Na mosca.” (...) - perfeito!
    A vida nos coloca em “paredões de fuzilamento” diariamente. Somos flechados como foi “sebastós” (“São Sebastião”), somos acossados de todos os lados, por violências contra idosos, mulheres e crianças... Por doenças fabricadas e outras tantas... Por intolerâncias na vida e da Web.
    Diziam os plebeus da antiga nobreza dinamarquesa: “O Rei está nu!” - Pior é a nossa “patriazinha, tão rica e tão pobrezinha”, que possui um “rei de mentirinha”, que não “SE ACHA”, de tanto que se perde. Ainda bem, que até os “reis do engodo”, possuem “prazo de validade” de pouca duração.
    Gosto muito da tua maneira de escrita.
    Beijos e bom domingo das Mães!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada pela leitura, Doug! Gostei do SE ACHA, é incrível, mas o "rei" está perdido em todos sentidos e nem se dá conta, luta com unhas e dentes para prosseguir na jornada de destruição...parece vilão de HQ. Bjs

      Excluir
  4. Puxa,Dalva! Mais uma vez palavras fortes, bem pensadas e com recado direto aos que insistem em assim levar a vida, pensando apenas em si próprios ,nos seus umbigos... Foste perfeita e a cada parágrafo, o sentimento de que aquilo que pretendíamos ver, as mudanças pra melhor, pós pandemia, não vieram em, grande parte ...

    Que tenhas um lindo dia das mães, cheio de alegrias e que o carinho aqueça teu lindo coração. beijos, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Chica, querida! E vamos em frente, se agarrando às pequenas luzes que aprecem ao final do túnel, para respirarmos. Bjs

      Excluir
  5. Oi Dalva
    Sabemos que a flecha ainda não acertou o alvo e as mudanças que esperávamos não aconteceu
    Somos perseverantes na fé e portanto não podemos perder as esperanças
    Um dia quem sabe ainda veremos o egoísmo dando lugar para o bem da coletividade
    Nenhuma língua é capaz de expressar a beleza e a força de uma mãe. Feliz Dia das Mães!
    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Gracita, enquanto não acerta, vamos vivendo, nos esquivando delas enquanto podemos.
      Obrigada pela visita e comentário! Bjs

      Excluir
  6. Oi Dalva passando para lhe deixar um carinhoso abraço,
    pelo dia especial dedicado às mães, mas volto sim para
    ler seu texto sempre com belas reflexões.
    Beijo no coração amiga.
    Feliz semana leve e alegre.
    Eu volto.

    ResponderExcluir
  7. Olá, amiga Dalva, gostei muito dessa sua crônica, na qual você externa, de forma brilhante, a ira de uma pessoa inconformada, com justa razão, de tantas injustiças, e promessas enganosas, feitas para não serem cumpridas. Então o que resta a nós pobres mortais? No mínimo, um desabafo como o seu, para tentar aliviar a revolta por tudo o que passamos, a pandemia, a falta de trabalho, a fome, o crime que campeia nos quadrantes do nosso imenso país e esse vírus que não para de multiplicar-se.
    Uma feliz semana, com saúde!
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Pedro! Temos que começar a resolver o problema que o vírus causa para podermos tentar resolver os outros problemas, mas não vemos muitos esforços para isso, ao contrário, diariamente vemos alguns (incluindo cidadãos) incentivando a proliferação do vírus e consequentemente a morte e insegurança existencial. Bjs

      Excluir
  8. Olá, querida Dalva
    Aplaudo e elogio o seu,bem dado,recado.
    Retribuo o seu abraço deixado no meu blog.
    Adoro receber as suas visitinhas.
    Te desejo uma ótima semana.
    Um beijinho
    Verena.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela leitura, Verena, bom estar por lá! Bjs

      Excluir
  9. Dalva, minha querida, gostei da tua indignação, penso que milhões estão como tu. Eu me coloco junto, sem dúvida alguma. É demais, não vejo um 'basta' na frente. Foram tantas as promessas, tantas as mentiras que não vejo as coisas melhorarem a curto prazo, a recuperação levará anos. E cada dia a indignação fica mais forte diante de tantas loucuras. Pobre o 'rico país do futuro', um futuro difícil de vermos. Nasci, cresci e confesso que não sei onde fica o país do futuro.
    Você, amiga, custa um pouco a escrever, poderia nos presentear mais com seus textos, mas perdoo, quando resolve... vem com força, com tudo! rss
    Uma feliz semana,
    um beijo, querida. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Tais, querida! Escrevo devagar, a cabeça já não ajuda, tenho que reler para relembrar o que escrevi, aí acho erros em cada parágrafo e assim vai e volta até uma hora sair.
      E não é...o tal país do futuro...Não vi tbm e não acredito que veremos, falta genuína vontade política para o bem social e falta consciência numa boa parte do povo. Antigamente a gente votava, o eleito não correspondia a gente criticava, hoje idolatra, tem carta branca para fazer o que quiser, tem voto garantido, mesmo sendo 100% incompetente. Valeu, bjs

      Excluir
  10. Oi Dalva estou feliz com a reforma que estamos fazendo, é tão cansativo, mas em compensação não fico pensando em tudo que esta acontecendo e me nutrindo de raiva.
    Você falou de beleza natural, estou tentando me ater a ela, pois olhar pra fora me deixa amargurada.
    Vamos seguindo nessa luta, boa semana, beijos,Vi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vi, lidar com essas coisas realmente distrai e faz bem para a mente, a vida mais simples, sem expectativas externas, se sentindo mais parte da natureza. fora tá complicado.
      Vocês são fera, vai ficar (já está)lindo! Bjs

      Excluir
  11. Querida Dalva,
    Eu faço minhas as suas palavras, pois é exatamente assim que eu penso, estamos vivendo uma era de egoísmo, de narcisismo, de violência, intolerância, falta de empatia e desamor absurdos. Parece que a pandemia trouxe o pior do ser humano, claro que não podemos nos esquecer também de atitudes solidárias como campanhas para arrecadação de alimentos, acho isso muito importante e necessário nesse momento, mas eu vejo muita ignorância e desrespeito com a situação atual do país.
    Fiquei muito triste com a morte precoce do grande ator Paulo Gustavo, um grande caráter, genial e que passou uma mensagem tão importante com os seus filmes, o amor deve sempre prevalecer seja qual for a sua orientação sexual, infelizmente ele se foi por um vírus que já existe uma vacina, isso deveria causar uma revolta tão gigantesca na população que esse senhor que hoje se encontra na presidência iria ser obrigado a renunciar ao cargo. Pena que hoje aceitamos a quase tudo calados, que nada que aconteça seja motivo para uma indignação coletiva, nem pra isso somos unidos. Triste demais.
    Adorei o seu texto, estamos juntos nessa batalha e vamos até o fim.
    Um beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entregar o osso? Acha? Há uma multidão de fanáticos dando força. Como a Dalva relata, também estou exausta. Estamos exaustos.

      Excluir
    2. Como não se sentir exausto, não é amigo!? Tenho medo de não haver mudanças, de continuar tudo rolando ladeira abaixo, como disse a Helena, há fanáticos aplaudindo até maldades explicitas.
      Alécio, vi o depoimento da Monica Martelli no Saia Justa sobre o Paulo Gustavo, de cortar o coração, precisamos ficar indignados...Não era para ser assim tão ruim, não mesmo. Bjs

      Excluir
  12. Olha eu aqui Dalva.
    Hoje para ler e reler partes do texto e entender toda esta angustia, este vazio, esta decepção com a humanidade. Estamos fragilizados, é sabido, mas ainda nos resta a tal de consciência e por esta vamos deglutindo o fel de uma sociedade egoísta, que aprendeu *narcisamente* a olhar para seu umbigo e o seu mundo se resume no eu. O nós foi perdendo espaço amiga, enrijeceu o coração, taparam os olhos para coisas não findas. A guerra está declarada do superior, do entendido, do certinho tortinho. Sua opinião é a certa e suas flechas carregadas de venenos são atiradas a esmo e fuja, quem for capaz.É doloroso constatar que o novo esperado, está mais velho e apodrecido. E vamos neste meio, numa busca estressante da imunidade da guerra de vírus num ambiente, que dever-se-ia ser o elo entre os seres, mas na realidade é o abismo em plena evolução das tecnologias e meios de comunicação. A seta acerta o alvo e o salve-se quem puder está liberado.
    A nós resta a sorte antes da morte.
    E se houver amanhã, quem sabe a gente verá o novo homem restaurado no melhor mármore?
    Maravilha de consciência do seu tempo e dos movimentos de uma sociedade emperrada numa inercia.
    Seu texto é um soco no estomago de uma mesmice.
    Adorei amiga
    Que venham dias leves e alegres e cuide-se.
    Beijo de paz no coração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Toninho, querido, pela leitura e comentário, é bem assim mesmo que me sinto, sinto até uma certa melancolia, sem forças para esperanças...mas lutando bravamente, porque me incomoda essa situação toda, tem horas que me encolho, outras, grito, não sei se para movimentar a engrenagem emperrada ou para evitar o silêncio dos bons. Bjs, continue se cuidando.

      Excluir
  13. O seu texto remete para a importância de ser solidário. Enquanto ser social, o homem não deve ser umbiguista e deve ter sempre presente que, a sua vivência coletiva, lhe confere responsabilidades no contato com o próximo, que nunca deve aligeirar, para que todos vivam melhor.
    Abraço solidário.
    Juvenal Nunes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Juvenal, o que diz é a raiz da maioria de nossos problemas sociais, as pontes devem unir, jamais separar, como diz o poeta Mia Couto: Não há pontes que separem os que tem medo dos que não têm medo. No final todos sofrem as consequências. Obrigada, bjs

      Excluir
  14. Dalva querida, outro belo texto para reflexão. Confesso, amiga, que também estou exausta de nadar contra a maré de tubarões. Mas tenho esperança que isso tudo tem data de validade. Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Helena, querida, não tá fácil encontrar essa luz no fim do túnel...cansativo mesmo, mas tomara...Bjs

      Excluir
  15. Uau!!!
    Dalva, que texto este, forte, corajoso, brilhante, INTELIGENTE!
    Parabéns, amiga. Adorei!
    Voltarei para reler, e reler.
    Beijo, muita paz, amor, saúde.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada Teresa, fico muito feliz, recompensada por ficar horas brigando com meus neurônios que brincam de pisca-pisca comigo. Bjs

      Excluir
  16. A sociedade é muito egoísta e, por isso, não há bom senso que regule com o mínimo de eficácia as relações entre as pessoas. Há sempre um qualquer interesse em agredir os outros, como se fossem políticos a tentar denegrir os outros para lhes roubar o poder ou para se manter nele.
    O seu texto é profundo (e excelente) e dava para um debate de especialistas sociais.
    Continuação de boa semana, amiga Dalva.
    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso Jaime, não são só políticos, somos todos nós, somos seres políticos, falta a boa política em todas as frentes, mais humanitária, menos egoísta, menos competitiva. Muito obrigada, amigo! Bjs

      Excluir
  17. Se fosses homem eu te diria;
    "Puxa, cara! Para dizer o que
    disseste é preciso ter peito".
    Mas como não és eu não digo.
    Mas falar que gostei muito do
    que disseste sim, eu digo.
    Um beijo e bom fds.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu amigo, esse meu "peito" de gritar não passa de apenas gogó, eles não ouvem, mas quem sabe alguém tenha um click na mente e pare para pensar a respeito de suas convicções, elas (de todos) nem sempre estão corretas, tudo muda o tempo todo e o que não falta são espertos para querer mostrar o quanto são melhores. Bjs pra vc também!

      Excluir
  18. Também fico sintonizado contigo porque "[...] Cansei de campos minados de palavras, insensibilidade e ignorância assumidas com orgulho.[...]". Todo o teu Post é um TRATADO.
    Parabéns, Amiga.

    Beijo
    SOL da Esteva

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo, muito obrigada pelo comentário gentil, fico feliz! Bjs

      Excluir
  19. Texto super perfeito, pleno de lições, reflexões, divino!
    Abraços fraternos!

    ResponderExcluir
  20. Querida Dalva, sabia-te desanimada, cansada e desiludida com a situação do Brasil, não só no que respeita aos politicos , mas também à sociedade em geral. Sabes o quanto amo esse País, a pátria dos meus filhos, o lugar que os meus pais escolheram para sua última morada, o povo que tão bem me acolheu quando emigrei : considero-me feliz por ter duas pátrias e é com imenso orgulho que me considero luso-brasileira. O Braisl é um país como outro qualquer, com as suas qualidades e defeitos, mas que agora está a passar por momentos muito dificeis, como aliás, acontece em qualquer outro. Escolheu um presidente que enganou bastante, mas, creio que foi eleito por falta de opção, embora as expectativas fossem gramdes. Mas, o que eu não entendo é que certas pessoas não admitem que ele não correspondeu às expectativas e que, portanto está na hora de mudar; é para isso que serve o voto, não é verdade? Tenho amigos aí que continuam a " pôr as mãos no fogo por ele " e, se ele achava que o virus era uma gripezinha, eles também pensaram o mesmo e não fizeram nada para se protegerem. Como o presidente, também eles pensavam ser uma " besteirada "., mesmo vendo grandes amigos a serem contagiados. O que dá um certo receio, Dalva, é ver que os brasileiros votaram neste presidente por falta de opção e essa falta continua para as próximas eleições. Tenho esperança que até lá apareça um candidato que reponha a esperança de dias melhores para o nosso querido Brasil . Tu já leste o post no Começar de Novo e, portanto, viste que a minha intenção com aquele texto, foi mostrar que a mentalidade do ser humano continua a mesma, apesar dos tenpos, apesar das idades, apesar das desgraças; o ser humano continua egoista, desumano e, mesmo que veja fome à porta é incapaz de dar um prato de comida. Vê o que está a acontecer entre Israel e Palestina, uma guerra estúpida, onde se mata " a torto e a direito", só para não se reconhecer que um pais tem direito ao seu chão. Fiquei chocada com a noticia de, numa familia, só ter sobrevivido um bebê de quatro meses, ferido, a chorar na cama de um hospital. Uma desumanidade tremenda própria de um único ser, o tal chamado de humano, de homo sapiens;nenhum outro bicho mata " por nada ", os bichos mais ferozes matam só se forem atacados ou então para sobreviver. Sabes, Amiga, apesar de toda esta desgraça que nos rodeia, nós temos de andar para a frente, pois a vida assim o exige, por isso, para preservarmos a nossa sanidade mental, é melhor pensar que, no nosso país há gente muito boa, pessoas maravilhosas que fazem tudo para ajudar quem precisa e que merecem que pensemos neles, que os valorizemos e que os ajudemos, dentro das nossas possibilidades, a continuarem o seu maravilhoso trabalho em prol dos outros. Esqueçamos os poderosos , os corduptos, os senhores da guerra e pensemos mais nesses " heróis anônimos " que tudo fazem pelo outro, sem esperarem nada em troca. Só assim, Dalva, conseguiremos superar todo este desânimo. Ainda bem que voltaste e, com um desabafo que, se me permites. assino por baixo . Afinal, apesar de longe, sinto-me aí, no meio do povo brasileiro já cansado de tantos desmandos. Obrigada, Querida Amiga! Uma boa semana, com SAÚDE e mais esperança . Um abraço do tamanho do mundo
    Emilia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Emília, o único jeito de não ficar desanimado por aqui é se alienar e isso, jamais!
      Olha, em minha opinião, acompanhei bastante os candidatos a presidência e posso garantir que havia candidatos melhores que o escolhido, só pelo que saia da boca dele e dos arquivos com o histórico político e militar dele mostrava, mas enfim que as pessoas não quiseram ver esse perfil...De qualquer forma o presente é que importa, já passaram quase 2 anos e meio e se tudo que ele e seus ministérios têm mostrado para arruinar este país, não tem jeito amiga, é porque pensam como ele mesmo ou estão tendo algum tipo de favorecimento.
      Estamos frente a uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar os abusos e falta de atitudes durante a pandemia e dá vergonha a falta de comprometimento, de descaso, de diplomacia, educação, sensibilidade...Para alguns este é novo país politica e eticamente correto. Triste demais, Emília.
      Quem entende os humanos? Israel indo tão bem na vacinação obtendo resultados positivos e aí...começam uma guerra idiota, que animais não fazem mesmo! Eles ordenam e o povo morre.
      Obrigada pelo comentário, Emília, e vamos levando, esperando atitudes que acelerem a vacinação e que as pessoas também colaborem porque muitos não estão nem aí com mortes e hospitais lotados...Bjs!

      Excluir
  21. OI Dalva, também ando muito cansada dessas muitas hipocrisias. Nossa, muito cansada mesmo. Também tenho evitado os campos minados para me poupar. Não está cabendo na minha exaustão. Tenho preferido não ver e não ouvir certas coisas, tenho preferido passar despercebida ou até deixar passar despercebido.
    Sigo na esperança que tempos melhores cheguem, tempo de clareza e de melhores sentimentos.
    Uma ótima semana para você.
    Belo texto desabafo.
    beijos
    Chris


    Inventando com a Mamãe / Instagram  / Facebook / Pinterest

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Chris, bem assim mesmo...dá uma vontade de ter uma capa de invisibilidade como a Harry Potter, né, não?
      Obrigada pela presença, bjs!

      Excluir
  22. Zezé tinha 5 anos, Dalva e eu 13.
    O garoto, do "Meu pé Laranja Lima",
    tinha sonhos enquanto eu sonhava com
    o que tinha.
    Desculpa, mas ainda estou a babar
    com o seu comentário. Obrigado, minha
    amiga. Obrigado.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todos meninos e meninas têm suas alegrias e tristezas, Silvio. Obrigada, bjs

      Excluir
  23. Dalva querida... estou acompanhando a CPI, tenho certeza que você também!
    O que estou pensando? O mesmo que você! Igualzinho, pois sei o que você pensa.
    Uma boa semana, amiga, um beijinho.

    ResponderExcluir
  24. Estamos ligadas,Tais, é preciso!
    Estava até agora há pouco vendo o Pazuello...disse que cumpriu a missão...que pelo jeito era matar. Por hoje cansei amiga, mais tarde vejo os "melhores" momentos. Bjs

    ResponderExcluir
  25. Passei para ver as novidades.
    Aproveito para lhe desejar a continuação de uma boa semana, amiga Dalva.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  26. Boa tarde, Dalva
    Obrigada por brincar junto lá no blog.
    Amei!
    Um beijinho nesta quinta-feira.
    Verena.

    ResponderExcluir
  27. Minha querida, Dalva!
    O mundo tem os seus percalços!
    Acredite a escuridão não dura para sempre.
    O verdadeiro amor tudo cura!
    A vida é mágica basta acreditar!
    Um doce beijinho!
    MegyMaia💕💔💕

    ResponderExcluir
  28. A noite tem apenas o tempo da natureza; a aurora surge logo e torna o dia pleno de Luz.
    Levanta os olhos e vê: o sol preside ao tempo da tua Vida.


    Beijo
    SOL da Esteva

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bonita mensagem, muito obrigada pela presença, Sol! bjs

      Excluir
  29. Gostei do seu bem humorado comentário por lá, Dalva
    A gatinha Juja te envia muitos ronrons...RS
    Beijinhos
    Verena

    ResponderExcluir
  30. Oxalá essas pontadas não causem dor insuportável. A Pandemia tem trazido muitas dores, desgostos, problemas físicos, mentais e intelectuais. Oxalá o ser humano resista a tudo até estar inoculado - se alguma vez o estiver - pela vacina.
    Gostei de ler o seu texto
    .
    Sábado feliz … abraço
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O cenário não está nada alentador, Ricardo. Obrigada, bjs

      Excluir
  31. Ei Dalva,
    Vim te ler,
    agradecer por estar sempre
    no Espelhando e
    deixar
    Bjins de bom domingo.
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Catiaho, bom final de domingo por aí! bjs

      Excluir
  32. OI Dalva, tudo bem?
    Passei aqui para te desejar uma ótima semana.
    beijos
    Chris


    Inventando com a Mamãe / Instagram  / Facebook / Pinterest

    ResponderExcluir
  33. Oi, querida Dalva!

    Seus textos são mto interessantes e nos põem pensando.
    O mundo nos espeta agulhadas sempre que pode e nós tentamos aguentar. Acho que sempre assim foi, mas há que ter esperança em dias melhores. As pessoas perderam a noção do bom senso e do respeito pelo outro e nosso pobre coração e corpo tem que suportar tudo isso.

    A Oração do Narciso, que eu não conhecia, se enquadra muito bem em seu post.

    Grata por sua presença e tão lindo comentário.

    Beijos, saúde e boa semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela presença, Céu! A "oração" é só um desabafo aí no meio, que eu saiba não existe, mas imagino que poderia ser bem por aí. bjs

      Excluir
  34. Nem todos têm muito de Narciso,
    mas todo Narciso tem um pouco dos
    outros; mesmo que nem ele se dê
    conta.
    Um beijo, Dalva querida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Silvio, tem razão...Equilíbrio é sempre bom! Bjs

      Excluir
  35. Oi Dalva quando o cansaço mental se instala precisamos ler os pensamentos dos nossos amigos, hoje estou querendo ler.
    Muitos beijos,Vi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela presença e comentário, Vi! A gente vai lendo aqui e acolá e as vezes uma ou outra coisa nos alegra um cadinho no meio dessa densidade toda. Bjs

      Excluir
  36. Oi, Dalva!
    A angústia por não ver a luz no final do túnel pode nos dar uma rasteira. Quando o mundo lá fora não está bom, melhor mesmo é olharmos nosso próprio umbigo, mas se perto do nosso umbigo, as condições atmosféricas :) não estão ideais, daí danou-se! Espero que não seja esse o caso.
    Beijinhos no coração!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Luma, obrigada pela presença! O momento está denso socialmente e por mais que se volte para dentro do nosso mundo particular, não tem como se afastar totalmente da realidade triste demais de outros, isso me incomoda e entristece mesmo estando bem cá com meu umbiguinho rs. Não dá para se calar ou fingir que está tudo bem. Bjs

      Excluir
  37. Oi Dalva, bom dia!
    Estou passando p/deixar bjs e desejar mais um dia abençoado p/vcs.

    ResponderExcluir
  38. Como não há novidades, desejo-lhe "apenas" a Continuação de boa semana.
    Beijo, amiga Dalva.

    ResponderExcluir
  39. Dalva, vim reler e deixar um beijo.
    Fique bem, proteja-se.

    ResponderExcluir
  40. Relendo... sinto agulhadas da "[...] hipocrisia, do descaso, da falta de união, das cobranças que só alimentam a próprio criatura.[...]". Texto positivo e de alta qualidade.


    Beijo
    SOL da Esteva

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada pela releitura e comentário, Sol! bjs

      Excluir
  41. Ola amiga Dalva, satisfação !
    Navegando pelos blogues da vida, encontrei o seu, fiquei encantado e aqui estou. Viver ultimamente está sendo uma atitude para os fortes, porém os momentos de solidão e introspecção, diante das agulhadas de hipocria e descaso, se faz necessário.

    Seja feliz e eternamente abençoada!
    Abraços
    Dan
    https://gagopoetico.blogspot.com/2021/05/cotidiano-de-um-homem.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada apela presença e comentário, Dan André, logo mais retribuirei a visita. Abraço.

      Excluir
  42. Me li em cada frase sua graças ao seu talento em descrever tão bem essa "sociedade" em que existimos.
    Gratidão por fazê-lo
    Muita Luz e Paz
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu é que sou grata, Adelaide, adorei o "sociedade" entre aspas, resume muito. Bjs

      Excluir
  43. Dalva querida, uma boa semana, amiga, com saúde e paz!
    Beijinho, obrigada sempre!

    ResponderExcluir
  44. Querida amiga Dalva, passei para lhe desejar a continuação de uma boa semana, feliz e de saúde.
    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Jaime, uma semana de alegrias para você! Bjs

      Excluir
  45. Sabe, Dalva? Quando começou a pandemia eu convenci-me, e até comentei com várias pessoas, que, perante o horror que se desenhava aos nossos olhos, o ser humano só poderia reflectir nos seus actos, tantas vezes condenáveis, arrepiar caminho e passar a ter um outro comportamento.
    Infelizmente a minha previsão não se concretizou, pelo contrário. À medida que o tempo passava e a situação mundial se ia agonizando, ao mesmo tempo que se viam surgir obras de solidariedade, também a maldade, o egoísmo, a ganância, crescia.
    Hoje, chego à conclusão de que a esperança num mundo melhor, a cada dia que passa, mais esmorece. Sempre fui optimista, sempre acreditei que o ser humano tinha capacidade de regeneração.
    Mas depois de tudo o que aconteceu no mundo – e que ainda não está solucionado - e vendo, através das imagens da tv, as atrocidades que se vão cometendo dia após dia… começo a ficar descrente.
    Gostei imenso do seu texto, cópia exacta do meu pensamento.

    Muito obrigada por suas generosas e amáveis palavras acerca de SEGREDOS. Foi, de facto, trabalhoso, mas consegui levar a tarefa até ao final.

    Bom Fim de Semana.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mariazita, os fatos e as reações que observamos faz com que sejamos céticos e realistas em relação ao comportamento humano, tem toda razão!
      E mais uma vez parabéns pelo romance e obrigada por compartilhar! Bjs

      Excluir
  46. Presente para uma saudação de Vida.


    Beijo
    SOL da Esteva

    ResponderExcluir
  47. Está tudo bem com você, minha
    amiga? Torço para que esteja.
    Um beijo e muito bom domingo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou sim, amigo, sem vacina ainda, mas vamos driblando o vírus e os vermes que deveriam nos proteger. Boa semana, bjs

      Excluir