13 de jan. de 2019

A borboleta que não apreciei

Quantas vezes julgamos os atos alheios?

Essa semana vi uma borboleta linda pousada na flor do pé de melissa que minha mãe plantou, acho até que já postei a foto dessa florzinha linda e delicada, menor que uma unha.

Olhei para a borboleta por alguns segundos, tão perfeita, amarela, preta e laranja, compenetrada em sua função de "roubar" néctar...Tinha um formato mais 'esticado" na horizontal, achei diferente.

E o que a tola faz em vez de ficar observando o inseto? Fui buscar a câmera para registrar ao invés de apreciar...Quando voltei ela já estava se retirando e seguindo outros voos, outras flores.

O automático está ligado para o virtual, por mais que se tenha consciência, nem sempre temos a sabedoria de saborear o momento real que é o que deveria ficar registrado em nossa memória. Essa deveria ser a prioridade.

Alguns momentos passam muito rápidos, viva-os!
Eles voam!


As florzinhas de melissa

borboleta
Uma outra borboleta, outra ocasião.

21 comentários:

  1. Boa Noite, querida amiga Dalva!
    É uma postagem que revela de modo bem largo a sensibilidade do Seu 💙.
    Muito lindo ser sensível e tirar lições do cotidiano que exala ensinamentos vários mas é preciso ter mente aberta e sair de ficar espreitando a vida alheia que estreita mente e visão do nobre e belo como fez aqui.
    Seja muito feliz e abençoada junto aos seus amados!
    Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem
    🌺🌼🌻🌹🙏

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, Rosélia, obrigada pelo comentário!
      Realmente espreitar a vida particular alheia é uma tolice que não leva a nada. Já socialmente não tem como deixar de observar as transformações sociais de comportamento, desses, como cidadã tenho minhas impressões, como aqui sutilmente mencionado, no entanto o foco foi na minha atitude. O modo como as pessoas agem
      não me importa, a menos que me atinja de algum modo.
      Abraço!

      Excluir
  2. Dalva, que linda reflexão tu nos colocaste! Certa! Verdadeira! Por vezes perdemos de ver, por querer registrar pra guardar! Adorei! Obrigadão pelos carinhos todos! bjs praianos,chica

    ResponderExcluir
  3. Não é Chica?! Somos humanamente expostos, nem sempre o racional e emocional fala primeiro, vez ou outra fáia e a borboleta vai embora, faz parte!
    Abração!

    ResponderExcluir
  4. Exatamente isso que, às vezes, acontece. Temos que nos policiar sempre para que os bons momentos que passamos, principalmente em família, não fiquem apenas registrados no virtual e sim em nossa história. Nas férias tirei muitas fotos e, quando quase fui postar, pensei: mas o que isso interessa aos outros? Para pessoas que nem conheço? Guardei em meu álbum virtual, com a promessa de imprimir, antes que o computador dê um pit e resolve apagar tudo. Boa semana, Dalva querida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Helena, acho legal tirar e compartilhar (sem exageros e repetições) fotos dos momentos bacanas que vivemos, também adoro ver as dos amigos, é uma forma de interagirmos, nos conhecermos.
      O vacilo é quando o "objeto" não espera e nem a gente o aprecia, como ver de repente os primeiros passinhos do bebê e correr para achar o celular para filmar...Não é errado, mas a magia de vivenciar neste primeiro momento, observar a expressão do rostinho, as perninhas inseguras...já foi, com sorte o finalzinho da descoberta será filmado. Você está certa, policiar-se p não perder nada importante.
      Ótima semana para você também!

      Excluir
  5. Fiquei encantada com a perfeição das florzinhas de Melissa que harmonia e delicadeza. Até dá pra se inspirar nelas e desenhar uma mandala . Outras borboletas virão, Dalva!

    ResponderExcluir
  6. São uma fofurice mesmo, e as abelhas adoram!
    Que tal uma mandela no paint, vai ficar muito legal?!
    Abração, Sandra!

    ResponderExcluir
  7. Que reflexão maravilhosa, Dalva.
    Quantas vezes perdemos bons momentos, pensando em revivê-los mais tarde. Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Você tem toda razão...
    Eu também fico muito atrelada ao virtual.
    E assim o tempo vai passando.

    Abraço.
    AnaVi
    filhadejose.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Com o enorme acesso que tivemos às câmaras digitais - tão eficazes nos registros instantâneos das imagens que vemos - fica até difícil resistir à tentação de não lançarmos mão delas, quando nos deparamos com algo que nos interesse. E a tentação é ainda mais forte, se temos blog, rsrs.
    No entanto, pessoalmente, não me preocupo em fotografar momentos em família ou em ações mais - digamos - particulares.
    Para ser bem sincera, me canso da exposição exagerada das pessoas, essa exposição me chateia, não me interesso tanto assim pela vida particular dos outros. Mas admito que há pessoas especialmente interessantes que, por algum motivo, nos encanta.

    Achei a flor da melissa um pouco parecida com a do Cambará (Lantana)

    Beijoca!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei muito do comentário, Marly.
      Sempre veja essa florzinha que mencionou (fui pesquisar) e não sabia o nome dela, são muito mimosas também, certa vez vi uma fachada de prédio toda "ornada" com elas, estava lindo!! bjs

      Excluir
  10. Não sei onde li ou ouvi que "borboletas são sinal de boas novas" e desde então me contento em apenas contempla-las, sem tentar capturar a imagem.
    Muita luz e Paz
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agora estou mais ligada, Ade! E tomara que seja boas novas, as borboletas estão rareando, aproveitemos!
      bj

      Excluir
  11. Não podia deixar de lhe contar sobre o que aconteceu hoje. Lembrei imensamente de você! Estava limpando o terraço porque ontem choveu horrores aqui! De repente ouço um piu-piu-piu. Não sei identificar o tipo de passarinho, pois sou ignorante nesse universo. Ele tinha a parte de cima amarela, o o bico fino e as perninhas longas e finas. Hahaha, minha filha acabou de me falar que é sabiá por causa das pernas finas. (um colega do primário a apelidava de sabiá). Deixei a mangueira de água aberta, vassoura para um lado, pano pro outro... Corri para buscar a máquina. Uai, cadê o passarinho? "Ah, Passarinho me conta então me diz
    porque que eu também não fui feliz..."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha só, tivemos a mesma experiência! Eles raramente esperam, nós é que temos que acalmar a mente e reaprender a observar e sentir os momentos. Ontem a borboleta passou por aqui de novo, mas ficou pouquinho, a chuva por aqui tbm foi forte, o pé de melissa ficou detonado pelo granizo que caiu.
      Espero que sua filha tenha gostado do apelido,Sabiá, são lindos! Aqui sempre aparecem, mas não são de ficar pousados por muito tempo.
      Adorei o último parágrafo, bj

      Excluir
  12. Oi Dalva, eu tinha um pé de melissa aqui, o chá dela é forte, ajuda a dormir.
    Linda borboleta, faz tempo que não vejo uma com essas cores.
    Muitos beijos,Vi

    ResponderExcluir
  13. Aqui foi minha mãe que plantou, qdo ela vem sempre leva para fazer chá, eu ainda não tomei. As borboletas estão cada vez mais raras, até as mais comuns já não vemos tantas como no passado. bjs Vi

    ResponderExcluir
  14. Olá Dalva, aqui no meu jardim eu tinha tanto dessas florzinhas! Realmente logo procuramos uma máquina ao invés de aproveitar o momento e apreciar a natureza. Obrigada por sua visita no nosso blog, bjs Nice

    ResponderExcluir